ELEITORES DE BOLSONARO PODEM ‘SE SENTIR UM POUCO CONFUNDIDOS’ POR ALIANÇA COM O CENTRÃO,DIZ MOURÃO

O general e o capitão:

O vice-presidente Hamilton Mourão reconheceu nesta sexta-feira (23) que uma parte dos eleitores que votaram no presidente Jair Bolsonaro em 2018 pode ficar “um pouco” confusa pela aliança do governo com o grupo de partidos conhecido como Centrão.

Durante entrevista no Palácio do Planalto, Mourão questionado sobre o tema após Bolsonaro anunciar que o senador Ciro Nogueira (PI) será o novo ministro da Casa Civil. O parlamentar é presidente do PP, um dos partidos do Centrão, grupo formado por diversas legendas que troca cargos e verbas federais por apoio ao governo.

Crítico do Centrão e do “toma-lá-dá-cá” durante a campanha eleitoral, Bolsonaro se aproximou do grupo e, agora, entregou a ele um dos principais ministérios do governo. Indagado sobre a mudança de postura, Mourão reconheceu que parte dos eleitores pode estranhar a situação.

“O eleitor que é o eleitor do presidente Bolsonaro, vamos dizer assim, que é uma parcela de 25%, 30% da população, ele olha a pessoa, independente do partido em que ele está. Agora, a outra parte dos eleitores que também votaram no presidente e, aí foi uma questão mais programática e vamos dizer assim de visão de futuro para o país, esses podem até se sentir um pouco confundidos. Isso vai depender obviamente, então, das ações daqui para lá”, disse Mourão.

‘Eu sou do Centrão’

Após afirmar na campanha que o Centrão reúne a ‘nata do que há de pior’ no país, Bolsonaro cedeu espaço no governo em troca de apoio no Congresso e, nesta quinta-feira (22), afirmou em entrevista que nasceu do grupo, já que foi filiado ao PP e ao PTB.

“Eu sou do Centrão. Eu fui do PP metade do meu tempo. Fui do PTB, fui do então PFL. No passado, integrei siglas que foram extintas, como PRB, PTB. O PP, lá atrás, foi extinto, depois renasceu novamente”, declarou Bolsonaro em entrevista à rádio Banda B.

“O tal Centrão, que chamam pejorativamente disso, são alguns partidos que lá atrás se uniram na campanha do [Geraldo] Alckmin [PSDB]. E ficou, então, rotulado Centrão como algo pejorativo, algo danoso à nação. Não tem nada a ver, eu nasci de lá”, acrescentou.

O Centrão não foi criado em 2018. O grupo, que teve protagonistas em grandes escândalos de corrupção como mensalão e Lava Jato, surgiu durante a Constituinte, nos anos 1980, e desde então sempre apoia os presidentes. Integrou, por exemplo, os governos de Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer.

Fonte/G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *