A APLB SINDICATO NÚCLEO DE ITARANTIM REALIZA REUNIÃO REMOTA

 

A imagem pode conter: texto que diz "APLB Sindicato"

Na última terça-feira, 29.09.2020 a APLB Sindicato núcleo de Itarantim se reuniu com o jurídico da entidade e os Professores da Rede Pública Municipal que tiveram 20 horas da carga horária retirada pela atual administração desde o ano de 2017.

A situação financeira dos profissionais que tiveram redução na carga horária é delicada pois os mesmos foram surpreendidos com a diminuição dos rendimentos através da publicação do Decreto Municipal, sem nenhum comunicado prévio e nem justificativa legal, sendo que o Plano de Carreira destes profissionais garante o enquadramento de mais 20 horas na carga horária após três anos de exercício na regência de classe.

O que infelizmente não foi respeitado pela gestão municipal. A diretoria do núcleo da APLB tentou reverter a situação junto à administração, mas não conseguiu.

Sem alternativa, deu entrada na Justiça do Estado da Bahia, que no dia 08 de maio concedeu liminar determinando que os professores retornassem para ensinar as outras 20h, o que não foi cumprido pela administração do Prefeito Paulo Silva Vieira, o Paulo Construção.

O jurídico da APLB na reunião do dia 29 fez algumas pontuações sobre esta situação, disse que a falta de um juiz titular na comarca , levou a protelação da execução da liminar, mas que tem uma possibilidade de solucionar o problema dos professores com a chegada do novo juiz suplente da Comarca de Canavieiras.

A coordenadora do núcleo, Iara Cajá, fez um questionamento: “como fica o respeito e a valorização dos profissionais da educação? A impressão que temos é que a educação só é prioridade antes das eleições.”

A nossa luta é todo dia!

Coordenação do núcleo da APLB Sindicato – Itarantim

2 thoughts on “A APLB SINDICATO NÚCLEO DE ITARANTIM REALIZA REUNIÃO REMOTA”

  1. É incrível como a atual gestão pública falta com respeito com os profissionais da educação,a minha maior indignação é os gestores são professores e um deles em outras épocas reclamava de gestores que perseguia justamente profissionais da educação e hoje o próprio faz as mesmas praticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *