PROGRAMAS SOCIAIS TÊM CORTES DE ATÉ 96% NO ORÇAMENTO

Programas sociais têm corte de até 96% no orçamento

Programas sociais como Luz para Todos, Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Minha Casa, Minha Vida correm o risco de serem extintos.

Dados divulgados nesta segunda-feira, 9, pelo jornal Valor Econômico, apontam que, somente nos últimos quatro anos, o governo federal aplicou cortes de até 96% em programas sociais, considerados a principal bandeira dos governos Lula e Dilma Rousseff para o desenvolvimento.

Os números compilados pelo Valor, com base em dados oficiais do governo, mostram que a verba destinada ao Minha Casa, Minha Vida caiu de R$ 20,7 bilhões, em 2015, para R$ 7,9 bilhões, em 2016. O encolhimento continuou este ano: de janeiro a agosto, o programa recebeu um total de R$ 1,8 bilhão.

O PAA, que visa fortalecer a agricultura familiar permitindo a compra direta de produtos de agricultores familiares pelo governo, recebeu até junho deste ano um aporte de R$ 41 milhões, uma queda de 91% em relação a todo ano de 2016.

Já o Luz para Todos, que dá acesso à energia pela população rural, de janeiro a agosto deste ano, viu seu aporte cair 79% em relação ao ano passado. Este ano, o programa recebeu um aporte de R$ 44 milhões.

O Ministério do Planejamento afirma que o corte nos programas sociais é essencial para o cumprimento da meta fiscal deste ano, que acumula um déficit primário de R$ 159 bilhões. O secretário-executivo adjunto da pasta, Rodrigo Cota, aponta a Previdência Social como o principal motivo dos cortes. Segundo Cota, é errado afirmar que o governo está reduzindo o gasto social, pois os gastos com a Previdência continuam em alta. Ele afirma que o governo está optando pelo corte nas despesas discricionárias (não obrigatórias) para equilibrar os gastos com a despesa obrigatória da Previdência.

“Essa é a verdade incontestável e definitiva, e é essa realidade que nos leva a trabalhar com tanto afinco pela reforma da Previdência e pela revisão de programas e políticas públicas. O Ministério do Planejamento não concorda com a afirmação de que o gasto social ou o gasto com as políticas sociais estejam sendo reduzidos. O que está acontecendo é que o gasto com as políticas sociais de natureza obrigatória está avançando e tomando o espaço das políticas discricionárias em geral”, disse o secretário, em entrevista ao Valor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *