ITAPETINGA: SEM CUMPRIR NENHUMA META DE CAMPANHA, GESTÃO RODRIGO/RENAN SEGUE MAL AVALIADO PELA MAIORIA DA POPULAÇÃO

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé

Se for candidato à reeleição em 2020, o prefeito Rodrigo Hagge (MDB) deverá encontrar enormes dificuldades para conquistar o apoio necessário que lhe garanta mais quatro anos comandando a Prefeitura de Itapetinga, Sudoeste da Bahia.

Esta é a sinalização que vem ocorrendo entre os eleitores e principalmente de pessoas que apoiaram a sua campanha em 2016. Em pesquisas feitas nas Redes Sociais pelos internautas, o índice de rejeição do alcaide é muito grande, basta verificar em algumas feitas no Facebook.

É claro que isso não define uma campanha e muito menos uma eleição, mas pode sim, medir o termômetro há praticamente um ano das eleições. Os índices de avaliação administrativa estão longe de agradar os munícipes e por conta disso o chefe do Executivo tenta a todo custo cooptar lideranças para tentar mudar o quadro que se desenha para o ano vem.

Sem legado na sua administração, o prefeito Rodrigo mais do que nunca precisa do apoio do ex-prefeito José Otávio Curvelo, que pode não participar do próximo pleito, por conta do descaso da administração com a população, a exemplo do não pagamento da Policlínica Regional, Código Tributário e contratos milionários.

Acompanhado a tudo isso, o prefeito Rodrigo perdeu o apoio dos Vieira Lima, que tinha como articulador, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso na Papuda desde 2017 por ter em seu poder várias malas com R$ 51 milhões.

A falta crônica de medicamento nos postos e o descaso com a saúde, desvalorização do servidor,  e as promessas de geração de emprego e renda ajudaram a impulsionar a baixa popularidade e o desgaste da gestão Rodrigo e Renan. 

Por Wagner Ribeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.